The End of my Music Project

I am writing this article to announce publicly a decision I made regarding my solo music project: I am ending it without plans to return. 

The cause of this decision is multilayered and I pretend with the rest of this article to explain it the best I can.

Project’s Timeline

2005: I started playing guitar.
2008-2012: a time of fruitful creative activity, when I worked on a lot of my music ideas.
2012: I released the album The Darkest Strings.
2017: I released the song Homem Só.
2018: I release the song The Richest Man in Babylon.

The Project’s Objective

The objective was always aligned with that one of the so called digital musician, never being my priority to take it into the physical realm through concerts. That would only happen if my main objective were to be attained: the creation of a genuine online community surrounding my work. This is a common trajectory for the solo musician of the digital age.

But, like many other musicians and artists with similar goals, that ended up never happening, receiving instead, at best, a lukewarm applause for the effort:

Decoding the Failure

After the release of the album The Darkest Strings, I tried to understand what had gone wrong:

1. Was it the music that was not good enough?
2. Was it the mixing that was not professional enough?

I was convinced that the explanation resided in a combination of those two factors. Mathematically speaking, that meant a total of 22 possible combinations:

MusicMix
MusicMix
MusicMix
MusicMix

That explains why, in 2011, I released a first version of “The Darkest Strings”, and then in 2012 I launched a second one with some of the songs modified: because I had determined that the problem was the quality of the compositions.

That also explains why I mentioned releasing the album a third time, now re-mixed. I was eliminating variables. Luckily, I never did it. It wouldn’t have made any difference and I would’ve only ending up wasting more of my time.

Simultaneously, I started to realize that, maybe, I was analyzing the situation too simplistically. Maybe, to that combination of two questions, I needed to add many more: Was I promoting my music the right way? Was the artwork good enough? Maybe the market is simply too saturated for new music? Maybe my music genre is really out of date? After ten questions you’d end up with a combination of 210 factors. That’s 1024 possibilities. It’s too much to test.

But eventually, I didn’t need to. All I had to accept was a simple truth.

The Ronaldos of Music

I have a lot of reasons not to consider myself a real musician. I’m not going to talk about them except the most important one. But before that, what do I mean by real musician?

Take the difference between a typical soccer player and the top players such as Cristiano Ronaldo and so on. Both know how to play, both know the rules of the game but not everyone can make a difference in a game.

In music it’s the same thing. We have real musicians and then we have the other people who happen to know how to make music. Both understand the rules of the game. But only the former know how to make real music.

If we analyze some top Internet solo artists[1][2] , we can find examples of musicians that got where they got because they make real music, music that the listeners in that music genre genuinely want to hear. Because what they do scores points in all fronts: it’s high quality, it’s fresh, it’s actual, it’s relevant.

That brings me to the next point

Art vs Entertainment

It seems to me that you can only succeed as a musician on the Internet in two way: you are either a real musician or you are an entertainer.

A real musician is able to find success relying on his music alone, without the need of resorting to monkey business. This can be proven by looking at the artists I previously mentioned.

The entertainers are everyone else. They are the regular soccer players. They are the Salieris. These are the musicians that know the rules of the game but are not really that good (or relevant) that their music can stand on its own. The only way for them to have success online is to create entertainment videos, where the music is secondary, its function being to to support the entertainment itself. It’s like making the dog eating the medicine by mixing it in its food.

The entertainer that tries to choose the path of the real musician is destined to fail. In my case, the only video that ever gathered the level of attention and interest that I envisioned for my project was Eu Gosto Muito Das Minhas Músicas. Coincidentally, this was the only entertainment video I did. Its good reception wasn’t a coincidence: it was simply me finding success in the habitat that was naturally reserved for me: the one of being an entertainer.

But I never wanted to be an entertainer. I wanted my music to be taken seriously. And there lies the root of my failure, I didn’t accept the destiny that was reserved for me.

The Creative Juice

After 2012, maybe because my music’s reception didn’t even fulfill my most conservative expectations, the time of spontaneous creativity and effortless will to compose music ended.

In 2014, I started working on my second album but since I wasn’t as driven as I once had been, I ended up not even finishing it.

In 2015-2018 I released two new songs, both heavily influenced on pre-existing ideas: Homem Só had been almost entirely written in 2010-2012; The Richest Man in Babylon had been written 60% in 2008-2014.

What I’m trying to say is this: the time of me being driven to write new music is long gone, and all the new music I’ve been releasing is based on old ideas. Like an orange whose juice has been squeezed out, my creative juice has already been transformed in music a long time ago. The burning desire of artistic expression is no longer present in me.

There’s another thing too.

I don’t like to play guitar that much anymore

When I was 17, I used to play guitar all the time. Now it’s a rare impulse. Much due to the same motives that led my decline in interest for writing music.

But another motive is more physical: I’m not 17 anymore and my body stopped liking to play guitar. If I don’t take the appropriate measures, I end up easily injuring the involved tendons, hand and neck articulations and so on.

These would be things that could be ignored (or rather, carefully and intelligently kept under control as they have been up until now) if there was an important thing that motivated it. But what I’ve been trying to tell up to this point is that there isn’t, which makes my predisposition to pick up the guitar much lower than what it used to be.

Why Sharing this Publicly?

If I am determined to quit my solo project, why not just do it? Why the public announcement? Is this attention seeking behaviour, hoping that people arrive in droves begging me not to quit?

No. In fact, don’t even try. Or try but knowing that I will consider such comments simply as trap-compliments. It’s a term I use to call those genuine and well intentioned compliments (and the more they are the more dangerous) that motivates someone to pursue an irrelevant goal. We all know how the road to Hell is paved with.

And to answer the question: why share this publicly?

Well:

1) For the same reasons everyone else shares their goals and decisions online: to make them as definite as possible. I have been considering this since 2012. I’ve thought about this for a long time. If the same idea remains in your head for seven years, you should probably do something definite about it, I think.

2) Because my conscience asked me to: I won’t try to fully understand the reason behind this but the fact is this: I tried to keep this decision and information private for some time but my conscience kept bugging me about it. I decided to stop questioning it.

Consequences

Isn’t it dangerous and irresponsible to make this public announcement?

I don’t ask this because I overestimate my influence in society, but because I know the impact decisions like these can have on others, based on my personal experiences: similar decisions made by people I only knew peripherally (or didn’t know at all) have remained marked in my mind as relevant events. Still to this day I can remember every single individual story regarding people who’ve given up on Music or their instrument. If that’s the case, it’s because there’s something important in the act and its impact to those around me shouldn’t be ignored.

Unfortunately, I don’t have a good solution to the problem.

I should clarify, though, that I don’t feel the need to assume complete responsibility for possible consequences of what I’m 1) writing (sharing a tough worldview of how things work) and 2) doing (quitting my solo project) because:

1) What I’m writing is my own personal perspective and interpretation of how things are and should not be taken as an attempt to portray itself as an universal law. It could be wrong. Maybe be world isn’t divided into Mozarts and Salieris. Maybe anyone can achieve real success simply by working hard and smart. Maybe I just wasn’t too good at that. In this regard, it is the reader that has full control over what to do with the information that reaches his mind and must, therefore, take full responsibility for it. Don’t accept what I’m saying without, first, gathering proof yourself.

2) Regarding what I’m doing, it’s much tougher because that’s where the problem lies – that of someone giving up on his dream after being involved in it so many years. It’s hardly something inspiring to others. And everyone knows that a puppy dies every time someone gives up on his dreams. As I said, I don’t have a good answer to that problem. And I know that invoking that previous argument – asking the reader to take responsibility for the information that reaches his mind – isn’t effective enough in this case because now we’re dealing with actions and not theory. Actions have a stronger punch. The only thing I can say about this is that technically I’m not giving up on Music or the guitar, because both are still useful to me in other contexts.

Is this really necessary?

To finish I’ll answer the question: is all this really necessary? I think so.

I already said that this idea has lived in my mind for seven years. What is my conscience trying to say?

In 2018 I released the music The Richest Man in Babylon. I gave my best: the best I could compose and the best I could mix (skills which were now superior in 2018 compared to 2012). The objective of this music was to clear up, once and for all, my initial doubts: is a music composed and mixed at the top of my skills good enough to interest listeners in a way that the previous works weren’t able to? The answer revealed itself to be no.

And then my journey ended. I had all my answers. I can listen to my conscience now.

The abrupt decision I’m making is important. More important than to simply let the decision manifest itself in my life through a slow and gradual parting from my project.

No. A firm decision must be taken because of its psychological benefits. The idea that habits my mind for seven years has revealed itself under the shape of, mainly, frustration. Running like a software, sometimes in the foreground, but sometimes in the background too, consuming the system’s resources, slowly but surely.

It is necessary to eradicate that idea once and for all. The price to pay is, of course, to accept that I failed in a definite way in something important.

Is that an acceptable price to pay? In 2019, yes. Because the importance of this goal has been gradually declining since 2012, having been replaced by other goals.

Why not make a definite decision, accept my failure, erase old frustrations and allocate those mental resources to something else?

Professor Jordan Peterson says we should burn of our insufficiencies like deadwood to make room for a better self. I believe him. And I think I am in good hands.

With this piece of wisdom I say goodbye for now.
See you later,
Micael Nobre

Share this page

7 comments

Skip to comment form

  1. Olá MN!
    Sempre te segui com muita atenção e admiração. Sempre disse aos que me rodeiam que és um individuo especial e bastante acima da média, nem tanto pelas capacidades técnicas enquanto executante mas também pela qualidade e cuidado na composição que demonstras.
    Na minha opinião existem vários níveis de inteligências (não acredito em humanos totalmente estupidos) e tu foste abençoado com várias delas e isso é inegável. Contudo não vou comentar o conteúdo deste “post” mas vou aproveitar para dividir contigo a minha reflexão que me levou a tomar uma decisão parecida.
    Como te deves lembrar cheguei a fazer um crowdfunding para a gravação do 2º álbum dos 4POR4 e que seria indiscutivelmente muito superior em todos os níveis e depois de angariar algum dinheiro acabei por desistir do projecto. Foram alguns os factores que contribuíram para essa decisão:
    – Os contribuintes eram exactamente os mesmos de sempre…familia e amigos. Percebi claramente que muitos se deixaram à sombra para depois acabarem por receber o conteúdo do álbum sem qualquer contributo;
    – Muitos (infelizmente) dos que nos rodeiam disfarçam às vezes muito mal que não estão ali tanto para nos apoiar mas sim para nos vigiar e certificarem-se que não chegamos mais longe que eles.
    – No mundo real também sofri várias desilusões graves com este mundo comercial da música. Desde miúdo achava que música era algo puro que saía da tua “alma” e até é mas que em contacto com o mundo industrial se transforma em rivalidades e invejas e num mundo totalmente promíscuo.
    – Depois veio a constatação de que os 4POR4 eram só mais uma banda sem expressão e posso te dizer que 90% dos concertos foram em salas às moscas ou compostas com os tais amigos e familiares! Aparecia sempre uma ou duas pessoas que se previam a ter com a banda e manifestar a sua admiração pelo que fazíamos. Lá está 1 ou duas pessoas…não eram sequer 10 ou 20…racio de crescimento muito lento eheheh! Claro que houve alguns memoráveis e guardo-os com muito carinho na minha memória e alguns em vídeo!
    – Depois foi muito triste descobrir que os “músicos” com quem trabalhei profissionais e amadores a grande maioria só sabia falar mal uns dos outros…conheci um que até dos instrumentos falava mal :D! Infelizmente de todos só gostei de trabalhar com a Carla Monteiro; Miguel Pereira; Ronaldo Firmino, Francisco Lima; Bruno (Brunal);Filipe Esteves e Nelson Silva (o trombonista)… de resto tudo gente com sérios problemas de ego, educação e personalidade…
    – Pousei então as “armas” e vendi praticamente todo o meu gear e reuni as minhas energias para outro tipo de projecto. O pior de tudo é que não sinto a falta…queimaram um sentimento que só pode existir dentro de mim e não o deveria nunca ter misturado com a ambição de um dia ser músico e fazer música a sério. Fiquei totalmente desacreditado da máxima…nunca desistas que vais conseguir….tretas….deves tentar e persistir sempre mas nunca deixar de ter um pezinho no chão e avaliar para quem fazes música se para ti ou se para os outros – Já dizia o senhor Eddie Van Halen há muitos anos atrás!

    Resumindo: Vejo hoje bandas a fazer o mesmo que eu fiz nos 4POR4 e não os censuro e sempre que posso e genuinamente gosto apoio mas já não faço fretes. Chego até a comprar CD’s que não gosto e ouço uma ou duas vezes e fica lá para um canto da casa mas também compro CD’s que realmente gosto por gosto e porque merecem ser apoiados. Agora sair de casa para ir ver concertos só se gostar mesmo.

    Preferia ter-te por aí a continuar a produzir sons e a existir simplesmente pois és um individuo que me orgulho de conhecer e ter nos meus contactos mas entendo perfeitamente muito do conteúdo deste “post”. Quem me dera ver-te um dia a brilhar por aí tal como mereces.

    Forte abraço

    1. Embora os detalhes das histórias sejam diferentes, tendo em conta o que escreveste acho que percorremos o mesmo percurso, chegámos às mesmas conclusões e aprendemos as mesmas lições.

      E sim, talvez as lições sejam duras e pessimistas, com a capacidade de moldar a um nível profundo as filosofias de uma pessoa, tal como referiste em relação às máximas de sucesso que se ouvem por aí.

      Por exemplo, eu passei a acreditar que muitas das pessoas de sucesso sofrem de lavagem cerebral e devemos ter muito cuidado ao ler o que elas dizem e escrevem. Esta lavagem cerebral é resultante de uma coisa chamada falácia do sobrevivente – https://bit.ly/2NvsYIr – o que fá-las acreditar que o seu percurso pessoal, que resultou em sucesso, se pode trasladar para um conjunto de leis universais de sucesso para toda a gente.

      Com isto tudo, parece ser óbvio que é fácil uma pessoa tornar-se cínica com estas experiências, e é. Mas como não acredito que nada de bom venha daí, tenho estado conscientemente a tentar trabalhar nisso. Se houve uma coisa que me fez mencionar o Jordan Peterson no final do meu artigo, ela foi o facto de ele me ter mostrado que é possível navegar pelo mundo a apontar para cima, sem ser necessário adoptar as máximas de sucesso pouco sofisticadas que já referimos. É mais fácil dito do que feito, mas é melhor do que a alternativa.

    • Lotus Feet on February 5, 2019 at 8:11 am
    • Reply

    Como é que algo que um dia tivemos como objectivo, foi o foco e o centro de energia e trabalho e foi um esforço muitas vezes subir aquela escada se torna em alivio deixar para trás e simplesmente seguir? É quase absurdo mas é real e está tudo bem. Mas a quantidade de “não faz mal” não é proporcional a tua qualidade. Muitas vezes não somos nós mas sim o que nos rodeia. Tu és bom no que fazes, o mundo só não está preparado para ti.

    • J on February 2, 2019 at 2:28 pm
    • Reply

    https://www.youtube.com/watch?v=41KXT9pV-d0

    vê isto, talvez entendas as coisas de outra forma. Nem todos precisamos de ser os ronaldos das musica ou de qualquer outra arte…. acho que estás a meter demasiada pressão em ti próprio para fazeres o melhor… as artes não são propriamente uma corrida até à meta, é um caminho que se vai percorrendo.

    Já passei pelo que o gajo do video fala e entendo que ja entrei em burnout e ainda hoje estou a recuperar.

    Vê o video e diz o que pensas.

    • Valter Santos on February 2, 2019 at 8:56 am
    • Reply

    Acredito que vais queimar esses galhos e fazer uma fogueira mais quente. O que é vida senão uma fogueira de sonhos e aspirações? O que interessa é manter o fogo aceso.

    Depois de ler esta “informação dramática”, fiquei a pensar no que significa realmente o “fracasso” de qualquer coisa e cheguei à conclusão que a única coisa importante é a lição que o próprio falhanço encerra.
    Não sei para onde vais direccionar o teu foco, mas tenho a certeza é que o sumo criativo que está em ti tem valor, e é a tua missão (como a minha ou de qualquer pessoa) pelo menos procurar como extraí-lo, qualquer que seja a forma. Nem que morra sem descobrir.
    De qualquer forma, acabando numa nota positiva (lool), o sofrimento faz parte da experiência humana e deve ser encarado como uma benção para o nossa sabedoria pessoal:

    “Quem passou pela vida em branca nuvem
    E em plácido repouso adormeceu,
    Quem não sentiu o frio da desgraça,
    Quem passou pela vida e não sofreu,
    Foi espectro de homem, e não homem,
    Só passou pela vida, não viveu.”
    Francisco Otaviano

    Um abraço e força para o que está por vir!

    • Ric on February 1, 2019 at 11:47 pm
    • Reply

    É engraçado como processamos certos inputs que ouvimos e os transformamos em algo que nos motiva ou direcciona em determinadas fases da vida. Seja na música ou noutra valência que envolva uma tal paixão que nos toque a fundo.
    Falando de música, como quem fala de paixões, tive relações boas, más, irrelevantes, e com todas aprendi, cresci. A soma do que sou é a soma do que passei. Mas queres a parte curiosa? Não significa que faça melhor! Às vezes até aprendes atalhos, ou chegas à conclusão de que preferes as coisas mais “mal feitas” em comparação à referência do que tinhas como “o caminho certo”.
    Um input que demorei algum tempo a perceber: “esquece o teu instrumento e ouve a música enquanto tocas”. Pode parecer básico mas acredita que 90% dos ditos “músicos” que por aí andam não conseguem fazê-lo.
    Um que adoptei como regra numa fase semelhante à que estás a passar, disse o Carlos Paredes “gosto demasiado de música para viver dela”. Se podia ter seguido música? Podia. Os meus pais deram-me carta verde. Se podia ser profissional? Podia. Oportunidades sempre houve, e ainda aparecem. Mas não quero “precisar” disso. Não quero ser forçado a fazer algo que não quero e estragar o gosto que tenho pela música.
    É assim que justifico as centenas de temas que tenho por acabar, na maioria meus, alguns que considero serem merecedores de tocar em todas as rádios do mundo, mas que ali estão. E ali vão ficar. São fases, fragmentos, partes, relações fugases com batidas e harmonias que não vou forçar a terminar e dizer “voilá, um álbum meu”. E já fiz as pazes com isso.
    Gosto demasiado de música para me obrigar a acabar temas pendentes.
    Gosto demasiado de música para me obrigar a praticar mais vezes.
    Gosto demasiadode música até para estar sempre a ouvir! Passo semanas de celibato musical.
    E a vida é assim. Feita de fases, fezes e fizes. Sempre com objectivos no horizonte. Traça os teus. E deixo-te com um dos inputs mais importantes que recebi num ensaio, depois de uma grande discussão musical entre os elementos, quando pediram a opinião ao baixista sobre qjem tinha razão nos acordes ou na melodia ele respondeu calmamente “eu só quero ser feliz” 🙂
    E é assim que devemos viver a vida, onde quer que nos leve!
    Um abraço mano.
    Boas queimadas de galhos!
    Ficas a saber que algures, alguém tem as tuas músicas no pc, auto-rádio ou telemóvel, e isso não morre nunca!

    1. Penso que sei onde estás a tentar chegar com a tua primeira frase. Cometi um erro: escrevi o texto de modo a dar a entender que culpo quem me suportou no passado (onde te incluis) por me terem motivado a tomar decisões que em última instância me levaram ao fracasso. Mas quão justa seria essa atitude da minha parte? Não seria nem um pouco. A partir do conforto da retrospectividade, aliado a um sentimento de frustração, seria fácil atribuir irracionalmente culpas aos outros, mas não estou a cair nesse erro.
      Não te culpo nem a ti nem a mim pelo mesmo motivo: quem fazia ideia de como as coisas iriam correr, há 6 ou 7 anos atrás? Quem é que é sábio o suficiente para determinar de antemão se um objectivo é irrelevante ou não, quando isso ainda não é claro?
      Fui irresponsável ao usar o termo “elogio-armadilha” porque é algo que tem nuances importantes e eu não falei em nenhuma delas. Mas então deixa-me ser claro numa coisa: não tenho nada mais do que da melhor gratidão por aqueles que mostraram genuíno apoio ao meu projecto. Ficou marcado!

      Estando isto esclarecido, apenas me resta de dizer que aprecio bastante o teu comentário, que acaba por ser bastante edificante!

      Abraço!

Leave a Reply

Your email address will not be published.